Curitiba tem o menor número de homicídios em 11 anos

Compartilhe
Tags

A cidade de Curitiba segue apresentando redução no número de homicídios. O índice teve uma queda de 15% entre janeiro e setembro, na comparação com o mesmo período de 2017. Os 238 casos registrados neste ano na capital representam a menor taxa deste tipo de crime em 11 anos.

A estatística foi produzida pela Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (CAPE) da Secretaria da Segurança Pública e divulgada nesta terça-feira (11). “A integração, o empenho e dedicação de todo o nosso efetivo de segurança pública, e a modernização dos equipamentos de polícia tem contribuído para a queda da criminalidade”, avalia a governadora Cida Borghetti.

O secretário da Segurança Pública, Júlio Reis, sustenta que há um conjunto de fatores que faz com que o número de homicídios na capital tenha esta importante redução. Ele cita, entre outros fatores, que o policiamento ostensivo está mais eficiente. “A sinergia entre as polícias Militar, Civil e Científica tem dado excelente resultado no Paraná”, afirma Reis.

Segundo o secretário, a Polícia Militar está atuando com muito mais ênfase e há um aperfeiçoamento no trabalho de investigação da Polícia Civil, com capacitações na Escola de Polícia para quem atua em casos de homicídios. Além disso, a Polícia Científica foi reforçada com as novas estruturas do Instituto Médico Legal de Curitiba.

BAIRROS – O estudo da Cape mostra que houve redução em quase metade dos bairros de Curitiba. Na Cidade Industrial de Curitiba, que é o maior deles, e que historicamente também registra o maior número de homicídios, houve redução de 53 casos, em 2017, para 42, em 2018.

No Jardim Botânico foi registrado um homicídio nos nove meses de 2018, contra três registros no ano passado. No Rebouças, o número de homicídios caiu de cinco em 2017 para zero em 2018. Em outros 24 bairros, entre eles Ahú, Alto da Glória, Alto da XV, Bigorrilho, Jardim das Américas e Tarumã, não houve registro homicídio tanto no período de janeiro a setembro de 2017 como neste ano.

Os dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública mostram que no período analisado, houve aumento em 18 dos 75 bairros de Curitiba. No Sítio Cercado, as ocorrências subiram de 18 casos em 2017 para 24 em 2018.

MELHORIAS – Para o delegado Luiz Alberto Cartaxo, responsável pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a redução no índice de homicídios coincide com melhorias que vêm sendo implantadas na delegacia especializada, tanto no registro de ocorrências, quanto na investigação.

“Com a criação da Divisão de Homicídios veio uma filosofia de trabalho no sentido de tornar a investigação muito mais técnica e, sob o aspecto científico, desenvolver com muito mais qualidade os inquéritos policiais que envolvem a prática deste tipo de crime em Curitiba. Esta é a forma correta com que estamos agindo dentro da DHPP e que tem resultado neste tipo de situação de redução do número de ocorrências”, afirma Cartaxo.

OSTENSIVO – A comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, coronel Audilene Rocha, ressaltou a importância do trabalho ostensivo para a redução dos índices de criminalidade. “A redução dos homicídios se deve ao trabalho árduo de nossos militares que dia e noite patrulham as ruas, prevenindo crimes e realizando prisões e apreensões”, disse ela. “O mais importante é a segurança dos cidadãos, pois é para eles que trabalhamos cada minuto”, frisou a comandante-geral da PM.