Escolas integrais apostam no trabalho integrado e na leitura

Compartilhe
Tags

As escolas municipais CEI Augusto César Sandino, no Santa Cândida, e CEI Professor Adriano Gustavo Carlos Robine, no Fazendinha, estão entre as unidades integrais do município com os melhores desempenhos no Índice de Desenvolvimento Básico da Educação (Ideb), principal indicador da qualidade da educação do Brasil.

As duas unidades melhoraram a aprendizagem dos estudantes investindo na integração dos profissionais dos períodos regular e integral, na leitura e escrita e na participação das famílias. “Quando o trabalho coletivo acontece de forma integrada e planejada, reflete diretamente na melhoria do desempenho dos estudantes”, explica a gerente de Educação Integral da Secretaria Municipal da Educação, Luciana Faria.

As ações foram o diferencial para o Ideb da escola Augusto César Sandino aumentar de 5,1 (2015) para 6,1 (2017). Houve melhora dos estudantes nas proficiências de língua portuguesa e matemática, segundo apontou a Prova Brasil, um dos elementos que compõem o Ideb.

A estratégia usada pela escola não é inédita, mas foi bem realizada. “Todos os profissionais adotaram uma linguagem única, assumindo ideias e projetos em prol da criança, respeitando sua bagagem e suas necessidades”, resume a diretora, Karina Helena da Silva.

A escola atende 634 estudantes em turmas de pré-escola ao 5º ano e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Boa parte deles pertence a famílias que foram realocadas de diferentes regiões da cidade para conjuntos de habitação popular da Cohab.

“São famílias que não tinham o sentimento de pertencimento ao bairro, à região, e nós conseguimos trazê-las para dentro da escola, torná-las parceiras.”, diz Karina.

A diretora ressalta que, sem os pais, o trabalho se reduz ao que é feito na unidade. “Com o apoio deles, as atividades de leitura, por exemplo, se tornam mais eficientes”, explica Karina.

Atividades de leitura que mobilizam toda a escola, acompanhamento pedagógico, práticas artísticas, de Ciência e Tecnologias, Educação Ambiental e do Movimento acontecem com planejamento elaborado a partir do Currículo do Ensino Fundamental.  Ações da escola, como Conselho de Classe e reuniões com as famílias, são eficazes para o acompanhamento da aprendizagem dos estudantes.

O crescimento no Ideb também preocupa os profissionais da escola. “Subimos o índice mas todos precisam manter o trabalho integrado o tempo inteiro. Manter uma boa nota é tão trabalhoso como aumentá-la e o trabalho é para que todos os estudantes aprendam”, reflete a diretora.

Fazendinha

No outro lado da cidade, no Fazendinha, a comunidade escolar do CEI Adriano Gustavo Carlos Robine se orgulha do resultado alcançado no Ideb. O índice subiu de 6,6 (2013) para 6,9 (2017), ficando acima da meta de 6,4 que havia sido indicada para a escola. Em 2015, a escola não participou da avaliação.

Algumas estratégias da escola para ampliar a aprendizagem e o conhecimento dos estudantes em Língua Portuguesa e Matemática são desenvolvidas nas Práticas de Acompanhamento Pedagógico, como as sacolas de leitura envolvendo a participação das famílias, produções de textos como forma de registro dos estudantes ano após ano, possibilitando o acompanhamento do seu desempenho.

Tudo acontece para garantir a todos os 250 estudantes, do pré ao 5ºano, o direito à educação de qualidade. “Temos uma equipe toda comprometida, com profissionais trabalhando para ver o estudante aprendendo mais e melhor. As famílias se tornaram partícipes das nossas ações”, comemora a diretora, Nanci Cordova Yasbeck.

 

Foto: Divulgação